atendimento@clinicapsicossoma.com.br

terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

Limites e Fronteiras


Falar de limites é visualizar fronteiras invisíveis, que organizam os relacionamentos e as pessoas em suas respectivas responsabilidades.

Estabelecer fronteiras é demarcar espaços físicos e emocionais, e também possibilitar que os outros possam distinguir com clareza quais são seus espaços e responsabilidades.

Quando vem ao mundo, à criança não traz consigo essa noção.
Tudo é dela e para ela. Com o tempo, vai percebendo (ou deveria perceber) que existem regras, normas e leis. Algumas coisas são negociáveis, outras, não.
Hora de comer, hora de dormir, hora de acordar; "isso pode", "isso não pode"; "esse é seu brinquedo", "isso é da mamãe"; "não mexe aqui", "isso faz dodói" - são atitudes que dão a noção de como funciona o mundo e como a criança (o futuro adulto) deve se comportar a fim de viver harmoniosamente com os outros e consigo mesma.

A responsabilidade de transmitir e cobrar normas e valores são tarefas dos adultos que circundam a criança.

Estabelecer fronteiras não é fácil para ninguém, mas é tão necessário para a sobrevivência quanto o alimento!

Fabiana Delvecchio
CRP: 06/98961

terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

FATORES DESENCADEANTES DE CIÚME PATOLÓGICO NO RELACIONAMENTO CONJUGAL


Vários estudiosos de questões sobre a afetividade humana
consideram o ciúme como um sentimento humano que pode
interferir, em maior ou menor grau, na dinâmica de relacionamento
conjugal.

É um sentimento que produz angústia, raiva, desconfiança,
baixa autoestima, insegurança e tensão nos parceiros, e pode atingir formas doentias, abalando a saúde mental e podendo chegar
ao extremo da violência.

Existem dois tipos de ciúme: o normal e o patológico.

O ciúme patológico é um transtorno afetivo grave, que corrói e destrói o relacionamento e os sentimentos; é uma perturbação em que o indivíduo se sente constantemente ameaçado.

Nesses casos, muitas vezes a relação é baseada na posse devido o individuo ciumento sentir medo de perder o objeto amado.

Diante disto, o relacionamento torna-se muito angustiante, tenso e
carregado de uma intensa carga emocional negativa.

Fabiana Delvecchio
CRP: 06/98961